Comunicado de Imprensa

ACNUR Celebra o Dia Mundial do Refugiado 2021

18 June 2021

No dia 20 de Junho, celebra-se o Dia Mundial do Refugiado, e a data representa uma oportunidade para o ACNUR comemorar a resiliência, a coragem e a contribuição dos refugiados nas sociedades em que são acolhidos

 

 

Refugiados da República Democrática do Congo em Angola, preparando-se para voltar para casa por meio do programa de repatriamento voluntário. Foto: ACNUR/John Wessels.
Legenda: Refugiados da República Democrática do Congo em Angola, preparando-se para voltar para casa por meio do programa de repatriamento voluntário.
Foto: © Foto: ACNUR/John Wessels.

Neste dia, o ACNUR pretende também honrar as pessoas que foram forçadas a deixar suas casas e famílias em busca de um abrigo seguro fora de seu país de origem. 

O tema de campanha alusivo ao Dia Mundial do Refugiado deste ano é “o poder de inclusão”. No seu discurso relacionado a data, o Alto Comissário das Nações Unidas para Refugiados, Filippo Grandi, relembrou a importância de se estabelecer mais parcerias nos setores de desenvolvimento, dentre outros, para garantir a inclusão de refugiados em programas de educação, saúde e de subsistência. “Isso se faz necessário especialmente neste contexto de pandemia, quando esses grupos mais vulneráveis são particularmente atingidos do ponto de vista social e econômico”, disse Grandi.

De acordo com o relatório Tendências Globais, lançado no dia 18 de Junho de 2021, o ACNUR estima que 82,4 milhões pessoas no mundo foram forçadas a se deslocar, incluindo 20,7 milhões de refugiados sob o mandato do ACNUR. Durante este período caracterizado por muitos desafios trazidos pela COVID-19, a prioridade do ACNUR é apoiar e garantir a prestação de serviço, assistência e proteção a pessoas de interesse.

A Coordenadora Residente das Nações Unidas em Angola, Sra. Zahira Virani, em pronunciamento sobre o Dia Mundial do Refugiado, ressalta a relevância do apoio colectivo, contínuo, consistente e activo demonstrado em acções de inclusão de refugiados e pessoas internamente deslocadas por parte do Governo Angolano, organizações não governamentais nacionais e internacionais, comunidades locais, sociedade civil, sector privado e, em especial das Agências das Nações Unidas que trabalham no país.

Este ano, a mensagem escolhida para a ocasião do Dia Mundial do Refugiado realça que apenas em conjunto podemos dar resposta eficientes às necessidades nacionais e desafios provocados pela actual pandemia. A inclusão de todos é particularmente importante, e encontra-se alinhado ao espírito defendido pelas Nações Unidas e reforçado na Agenda 2030, no esforço colectivo para uma recuperação sustentável nesta luta contra o Covid-19. Neste sentido, é com apreço que assistimos em Angola à inclusão deste grupo vulnerável no plano nacional de vacinação contra a Covid-19.

Todo o sistema das Nações Unidas em Angola apoia a solidariedade das autoridades angolanas, assim como das comunidades locais, ao acolherem e integrarem pessoas numa situação vulnerável, dando particular atenção à inclusão das mulheres e crianças, não deixando ninguém para trás.

É importante sublinhar que a vasta maioria dos refugiados em Angola residem em zonas urbanas; muitos há mais de duas décadas. Novas gerações aqui também nasceram e cresceram, absorvendo a língua, os costumes e a cultura angolana. Em troca, os refugiados trazem consigo uma vasta gama de experiências, conhecimentos e acima de tudo, muita determinação. Sua integração na sociedade desenvolve-se de forma natural, e os países que reconhecem o contributo da população refugiada na sociedade e investem no seu potencial, colhem resultados bastante positivos que se refletem no desenvolvimento e coesão social. Assim foi o caso dos países que acolheram e apoiaram os refugiados angolanos durante as décadas de conflicto interno em Angola.

O contributo dos refugiados em Angola tem sido notável e essencial para o desenvolvimento local. Na Lunda Norte, um exemplo que mais uma vez mostra a grande dedicação, resiliência e coragem dos refugiados é o Mercado no Assentamento do Lôvua que conta com um espaço organizado com 90 lojas que beneficiam  mais de 6.000 refugiados, assim como a comunidade angolana naquela provincia. Este é um exemplo claro de um projeto realizado pelo ACNUR e seus parceiros para aumentar significativamente o comércio, as oportunidades de emprego, a autossuficiência e a coexistência pacífica entre os refugiados e a comunidade angolana local. Além disso, uma clínica de saúde foi construída para providenciar cuidados de saúde primária de qualidade, para os refugiados e a comunidades locais. Para ilustrar este ponto, 30% das consultas realizadas na clínica beneficiam membros das comunidades locais angolanas. O ACNUR em Angola tem também um grande impacto na área de agricultura. Um projecto recente apoia mulheres refugiadas  a cultivar arroz nas comunidades locais, o que beneficia não só a comunidade refugiada mas também seus anfitriãos angolanos por meio da maior oferta e da diversidade de alimentos e formações prácticas para ajudar no cultivo do arroz.

Em suas observações relacionadas ao Dia Mundial do Refugiado, o Representante do ACNUR em Angola Sr. Vito Trani realçou a importância da colaboração com Governo de Angola, através do apoio prestado por diversos Ministérios, notavelmente o Ministério do Interior e o Serviço de Migração e Estrangeiros, bem como os Ministérios das Relações Exteriores; da Justiça e dos Direitos Humanos, Ministério da Acção Social, Família e Promoção da Mulher, sem se esquecer das Agencias Parceiras em Angola tais como o Serviço Jesuita aos Refugiados, Ajuda da Igreja Norueguesa, World Vision Internacional, Igreja Evangélica Irmãos de Angola, Salesianos de Dom Bosco, Ajuda de Desenvolvimento de Povos Para Povos assim como o apoio técnico fornecido por parte do ACNUR para os Ministerios mencionados acima. De acordo com o Sr. Trani ‘’cada um de nós deve fazer a diferença na sua vida diaria e ter uma abordagem inclusiva quando se trata de promover o respeito e a dignidade para todos os refugiados, deslocados internos e apátridas no mundo inteiro. Continuar a defender esses valores em tempos de pandemia é uma mensagem poderosa de esperança e solidariedade”,

Feliz Dia Mundial do Refugiado a todos e estamos juntos!

 

 

 

 

Yuko Maeno

Yuko Maeno

ACNUR
Oficial de Relações Externas a.i.

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade

ACNUR
Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados

Objetivos que apoiamos através desta iniciativa