ACNUR e parceiros celebram o Dia Mundial do Refugiado em Angola

“O poder da inclusão” é o tema da ação global em prol das pessoas refugiadas e requerentes de asilo em 2021

Actividades artísticas, esportivas e culturais com a população refugiada; formações para jornalistas, parceiros da sociedade civil e do governo e um evento especial para a divulgação das tendências sobre o deslocamento forçado no mundo e a avaliação da situação da população refugiada em Angola marcam, neste ano, as celebrações em torno do Dia Mundial do Refugiado (20 de Junho) em Angola.

A agenda está a ser organizada pelo ACNUR, a Agência das Nações Unidas para Refugiados, e seus parceiros. O Governo Angolano estima que o país tenha cerca de 56 mil refugiados e requerentes de asilo a residir no país. Destes, 89% de diversas nacionalidades vivem no contexto urbano; enquanto que 11% são acolhidos no assentamento de refugiados do Lóvua, na Lunda Norte, oriundos da República Democrática do Congo desde o grande influxo de 2017.

 

Luanda, 10 de junho de 2021 –  Este ano, o tema do Dia Mundial do Refugiado é “o poder da inclusão” e o ACNUR aproveita a oportunidade para reconhecer não só a hospitalidade do Governo e da comunidade angolana, mas também a contribuição que a população refugiada traz consigo ao país de acolhimento quando incluída na sociedade. Para o representante do ACNUR em Angola, Vito Trani, apesar dos desafios, os angolanos e angolanas são um grande exemplo de acolhimento e convivência pacífica com aqueles que aqui vieram recomeçar suas vidas em busca de protecção. Muito disso deve-se ao passado de muitos angolanos que também refugiaram-se em países vizinhos durante os anos de conflicto. “Angola acolhe refugiados há décadas;  novas gerações aqui já nasceram e cresceram. Continuar a defender esses valores em tempos de pandemia é uma mensagem poderosa de esperança e solidariedade”, ressalta o Representante.

Assim como no ano passado, as celebrações para o Dia Mundial do Refugiado sofreram adaptações em virtude da pandemia e a necessidade de se respeitar as regras de prevenção. Os eventos presenciais terão o número reduzido de pessoas e obedecerão rigidamente às medidas de biossegurança estabelecidas pelo governo; enquanto transmissões virtuais serão também organizadas simultaneamente para assegurar a participação de todos interesssados.

Números globais sobre refúgio – Com informações actualizadas sobre refúgio e outras formas de deslocamento forçado no mundo, o relatório anual do ACNUR “Tendências Globais 2020” será lançado no dia 18 de junho. Além disso, o ACNUR apresentará também os resultados da Avaliação de Proteção sobre a Situação Actual dos Refugiados em Angola realizadas no primeiro semestre de 2021.

Em paralelo, o ACNUR e seus parceiros promovem ainda seminários e mesas redondas voltadas a diferentes públicos. O primeiro deles, voltado para profissionais de comunicação, tem como objetivo aproximá-los do tema sobre refúgio e direitos humanos, visando contribuir qualitativamente com a cobertura jornalística sobre o deslocamento forçado e suas razões. Nos dias 15 e 16, o ACNUR também promoverá discussões com organizações da sociedade civil e entidades do governo sobre a integração de pessoas refugiadas na sociedade, assim como conceitos da lei do refúgio e proteção internacional. No dia 16 de Junho, Dia da Criança Africana, as celebrações serão voltadas às crianças refugiadas por meio de atividades recreativas.

Na Lunda Norte, as actividades acontecerão no Assentamento do Lóvua, que actualmente abriga cerca de 6 mil refugiados da República Democrática do Congo. Entre os dias 14 a 18 de Junho, haverá um  torneio de futebol feminino e masculino, e no dia 21 de junho, as comemorações serão encerradas com um grande evento animado por apresentações de teatro e dança, realizadas pelos próprios refugiados, as quais prometem encantar e divertir o público, que também assistirão à grande final do torneio.

Sobre o Dia Mundial do Refugiado – Desde 2001, o Dia Mundial do Refugiado é celebrado globalmente em 20 de junho, de acordo com resolução aprovada pela Assembleia Geral das Nações Unidas. Para o ACNUR, a data é uma oportunidade para homenagear a coragem, a resiliência e a força de todas as mulheres, homens e crianças forçadas a deixar suas casas em decorrência de guerras, conflictos armados e perseguições. Estas pessoas tiveram que deixar tudo para trás – exceto a esperança e o sonho de um futuro mais seguro.

Para o ACNUR, é necessário buscar um mundo cada vez mais inclusivo, no qual ninguém seja deixado para trás. Esta é a ideia central das celebrações do Dia Mundial do Refugiado neste ano, reforçando a mensagem de que refugiados podem e querem contribuir na sociedade que os acolhe.

 

Contatos para a imprensa
Autor
Flavia Faria
ACNUR
Oficial de Comunicação e Relações Externas.
Oficial de Comunicação e Relações Externas
Entidades da ONU envolvidas nesta atividade
ACNUR
Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados